No ano de 1975, por iniciativa de um grupo de moradores da região, surgiu um projeto para a construção de um Complexo Educativo na Quinta da Sarrazola. Este projeto contemplava uma componente de formação agrícola e uma escola preparatória, tendo vingado esta última vertente do projeto. Assim nasceu a Escola Preparatória de Colares a funcionar no edifício principal da Quinta da Sarrazola. Fora esta propriedade legada por testamento, pelo muito conhecido e respeitado Dr. António Brandão de Vasconcelos, médico da freguesia de Colares, com um objetivo definido: (“... para, ouvido o Sindicato Agrícola da Região de Colares, por intermédio da Repartição de Ensino Agrícola, em memória de sua filha, Alda Brandão de Vasconcelos, que muito honrou e amou sua terra, ser instituída na Quinta da Sarrazola, uma Escola Ménagère Agrícola, ou uma Escola de Pomicultura, autónoma, ou dependente da Escola Principal da circunscrição, nas quais teriam preferência as alunas e os alunos da região de vinhos de Colares...”).

É também na mesma quinta que Brandão de Vasconcelos virá a falecer a 14 de janeiro de 1934.

Inicialmente a Escola apenas lecionava os 5º e 6º anos de escolaridade, tendo ao longo dos anos a população estudantil aumentado consideravelmente, acabando em 1982 por transitar para as instalações atuais. Em 1985 já tinha o 3º ciclo completo; a partir de 1990 passou a ter também os 10º e 11º anos e em 1996/97, o 12º ano.

Teve durante alguns anos a designação oficial de Escola C+S de Colares, mas sempre foi conhecida como Escola da Sarrazola, que passou a ser o seu nome em 1993.

Na data da criação do Agrupamento das Escolas da Região de Colares, passou a chamar-se EB 2,3 de Colares. Com a construção do Polo e posterior integração no Agrupamento Monte da Lua, o Conjunto (EB 2,3 e EB1+JI) passou a ter a designação atual.

Voltar